Página Inicial
Olobot - Saúde e do médico que você pode confiar

Uma nova pesquisa oferece esperança esquizofrenia

Muitas opções de tratamento estão disponíveis para ajudar as pessoas com esquizofrenia se sentir melhor e viver uma vida mais independente. E embora não haja cura para a esquizofrenia, o futuro para melhorar estas terapias é brilhante. Todos os dias, os cientistas e os médicos especialistas estão trabalhando para descobrir melhores métodos de diagnóstico e tratamento para a doença. Esta pesquisa está pavimentando o caminho para que um dia possamos encontrar uma cura.

Aqui está um olhar para as últimas áreas de pesquisa.

Procurando ligações genéticas

Os peritos estão trabalhando para identificar como os genes estão envolvidos no desenvolvimento e curso da esquizofrenia. Isto inclui identificar mutações genéticas específicas que podem aumentar o risco de desenvolver esquizofrenia e estudar como eles mudam as conexões de comunicação no cérebro. Recentemente, pesquisadores com Instituto Nacional de Saúde Mental (NIMH) estudo descobriu a maneira em que uma mutação genética produz aspectos da esquizofrenia. A pesquisa genética como essa é importante porque serve como base para muitas opções de tratamento potenciais.

Desenvolvimento de terapias-alvo

Usando mutações genéticas identificadas associados à esquizofrenia, os cientistas estão trabalhando para desenvolver terapias específicas para tratar as pessoas com essas mutações. Isso ajudará a adequar a medicação de uma pessoa de sua genética específicos, aumentando a probabilidade de alcançar um resultado positivo e minimizando a possibilidade de efeitos secundários.

Usando imagens do cérebro para avançar tratamento

Os cientistas estão usando técnicas de imagem state-of-the-art, como a ressonância magnética (MRI) e tensor de difusão (DTI) para estudar a estrutura e atividade dos cérebros afetados por esquizofrenia. Ao identificar as diferenças nos cérebros de pessoas com esquizofrenia, os especialistas pode ser capaz de diagnosticar as pessoas mais cedo, antes que os sintomas começam. A investigação demonstrou que o tratamento precoce pode progressão dramaticamente lenta da doença ou atrasar o seu aparecimento e desenvolvimento.

Estudar métodos para prevenir a esquizofrenia

Como os cientistas começam a identificar as pessoas em maior risco de esquizofrenia e entender melhor como ocorre a doença, eles também podem explorar formas possíveis para evitá-lo. Por exemplo, os pesquisadores estão estudando o uso de antipsicóticos, suplementos e terapia-alvo para evitar a esquizofrenia em pessoas que estão em alto risco de desenvolver a doença. Um grande estudo, patrocinado pelo NIMH, está actualmente em curso para identificar os pacientes antes de desenvolverem a doença completa. Além disso, outro grande programa de NIMH, conduzida como estudos simultâneos por duas equipes diferentes, está em curso para desenvolver e testar estratégias de intervenção precoce para as pessoas que tiveram seu primeiro episódio psicótico. O objetivo é mudar a trajetória da doença para o aumento da recuperação e os resultados funcionais melhoradas.

Incremento do uso de medicamentos atuais

O NIMH atualmente patrocina centenas de estudos clínicos voltados para o avanço do tratamento da esquizofrenia. Eles incluem estudar os efeitos de várias doses de medicação nos sintomas, analisando como terapia cognitivo-comportamental pode beneficiar os pacientes, investigando se add-on terapias podem melhorar os resultados em muitas áreas da doença, e muito mais.

Todos esses esforços de pesquisa oferecer esperança para aqueles cujas vidas foram tocadas por esquizofrenia. Para saber mais sobre como se envolver em um ensaio clínico, visite http://clinicaltrials.gov.


Página Inicial  >  Esquizofrenia  >  Tratamento  >  Uma nova pesquisa oferece esperança esquizofrenia